• estaciosvaloi

Ataque em Quitunda ameaça projecto da Total


Aeródromo de Afungi


Apesar da campanha dos propagandistas a soldo do Governo tentar mostrar o contrário, o facto é que houve ataque em Quitunda, a vila de reassentamento das famílias afectadas pelo projecto Mozambique LNG. A foto-grafia que acompanha a publicação mostra uma casa da vila de reassentamento com perfurações de balas. O ataque ocorreu no dia 01 de Janeiro de 2021 e forçou a Total E&P Mozambique Area 1, operador do projecto Mozambique LNG, a evacuar parte do seu acampamento de Afungi. E não era para menos: a vila de Quitunda fica paredes-meias com a zona industrial do projecto Mozambique LNG. Isto é: está dentro da área concessiona-da e a uma distância de aproximadamente um quilómetro da vedação que protege o acampamento de Afungi.


Desde o início dos ataques em Ou-tubro de 2017, os terroristas nunca tinham estado tão perto do centro dos projectos de gás do Rovuma. Em De-zembro último, realizaram três incursões a sul de Afungi: duas em Mute, a mais ou menos 20 quilómetros do acampamento, e uma em Monjane, a cinco quilómetros. Este ataque ocorrido a cinco quilómetros do acampa-mento de Afungi deixou em alerta máximo as Forças de Defesa e Segurança (FDS) que protegem a zona das operações petrolíferas. Mesmo estando de sobreaviso, elas só con-seguiram travar o inimigo à entrada de Afun-gi.


A aproximação dos insurgentes ao centro das operações petrolíferas, seu principal alvo, é reveladora das dificuldades que as FDS en-frentam para conter o avanço do inimigo. A aproximação dos insurgentes à península de Afungi coloca em risco o avanço projecto Mozambique LNG, um investimento tão ne-cessário quanto oportuno para a transforma-ção estrutural da economia de Moçambique. E porque a realidade no terreno sugere que o conflito irá se prolongar por mais tempo, o Centro para Democracia e Desenvolvimento (CDD) defende a tomada de medidas urgen-tes com vista a proteger os investimentos em curso na bacia do Rovuma.


Uma das medidas seria a criação de uma espécie de zona exclusiva de Afungi, com um perímetro de segurança para a pro-tecção dos trabalhadores, infra-estruturas e outros activos. Não se trata de defender o capital financeiro internacional, mas sim de proteger projectos de investimento que têm o potencial de transformar a econo-mia do País e de reduzir a vulnerabilidade dos jovens ao recrutamento pelos grupos extremistas. Isto é, o avanço dos projectos de gás do Rovuma num ambiente de se-gurança pode ser parte da solução para os problemas que afectam Cabo Delgado, so-bretudo as causas internas do conflito.


Fonte:CDD

174 views0 comments

Subscribe our newsletter

  • facebook

Ficha técnica

Director Editorial: Luís Nhachote (+258 84 4703860)

Editor: Estacios Valoi 

Redaçao: Germano de Sousa, Palmira Zunguze e Nazira Suleimane

Publicidade: Jordão José Cossa (84 53 63 773) email jordaocossa63@gmail.com

 

NUIT: 100045624

Nr. 149 GABIFO/DEPC/2017/ MAPUTO,18 de Outubro  

Endereço Av. Cardeal Don Alexandre dos Santos 56 (em Obras)

© By BEEI