Ministro da Defesa admite que porosidade das fronteiras facilita terrorismo em Cabo Delgado


A vulnerabilidade das fronteiras moçambicanas tem permitido que os grupos terroristas em Cabo Delgado se abasteçam de armas, esta a posição assumida pelo ministro da defesa Jaime Neto, durante a cerimónia virtual da cimeira extraordinária da União Africana, ocorrida neste domingo, 6 de dezembro, sob o lema "silenciar as armas no continente africano".

Os ataques terroristas continuam a ser de combate difícil na província de Cabo Delgado admitiu o ministro da defesa de Moçambique Jaime Neto.

"a porosidade das nossas fronteiras facilita o tráfico de armas ligeiras, que por sua vez são usadas por grupos criminosos, terroristas e extremistas, para perpetrar actos de violência causando destruição, morte e dor nas comunidades e impedindo as populações de se beneficiar dos dividendos da paz na forma de emprego, educação, saúde, segurança e uma subsistência condigna".

Jaime Neto que falava na cimeira da União Africana, que decorreu em formato virtual a 6 de dezembro, defendeu urgência no combate ao terrorismo em África, que de acordo com estimativas divulgadas recentemente, entre 2013 e 2017, os conflitos armados terão provocado mais de 27 mil mortos e avultados danos materiais no continente e pela primeira vez o ministro da defesa avançou números de mortes provocados pela violência armada.

"...só no meu país, registamos desde 2017 cerca de 1100 óbitos associados à violência armada".

Entretanto Moçambique tem estado a receber promessas e apoios cada vez mais concretos para combate ao terrorismo, caso do Malawi por exemplo, que prometeu para os próximos dias o envio de militares para o norte do país.

Carros blindados de fabrico sul-africano foram enviados para o norte de Moçambique para ajudar forças governamentais a combaterem os rebeldes islâmicos que operam na província de Cabo Delgado, revelam notícias na imprensa sul-africana e moçambicana.

Segundo essas fontes pelo menos cinco veiculos blindados Marauder foram vistos num porto moçambicano e dois tanques de guerra foram também enviados para Moçambique, noticiou a publicação moçambicana Moz24Horas

A publicação sul-africana DefenceWeb fez notar que o Comité de Controlo de Armas da África do Sul informou recentemente o parlamento sul-africano, que tinha aprovado o fornecimentos de armas a Moçambique, por ser “um governo legítimo atacado por terroristas”. (RFI)

65 views0 comments

Subscribe our newsletter

  • facebook

Ficha técnica

Director Editorial: Luís Nhachote (+258 84 4703860)

Editor: Estacios Valoi 

Redaçao: Germano de Sousa, Palmira Zunguze e Nazira Suleimane

Publicidade: Jordão José Cossa (84 53 63 773) email jordaocossa63@gmail.com

 

NUIT: 100045624

Nr. 149 GABIFO/DEPC/2017/ MAPUTO,18 de Outubro  

Endereço Av. Cardeal Don Alexandre dos Santos 56 (em Obras)

© By BEEI